sábado, 10 de setembro de 2016

Licença para matar



Um dos privilégios da melhor idade é ter licença para matar.

Lá estava eu ás voltas com meu pai essa semana em mais uma de nossas atividades quando, ao passar em frente á igreja, ele vem com essa:

- Ainda não vi como ficou a igreja depois da reforma...

Eu respondo:

- Se o senhor quiser vir á missa eu venho com o senhor.

Então ele dispara essa:

- Depois dos oitenta a pessoa não precisa mais ir á missa...

A tonta aqui, sempre crédula em tudo, pergunta:

- É mesmo? Não sabia... Quem disse isso?

- Eu. É uma coisa que pensei: toda minha vida não perdi uma missa, estava sempre lá com chuva ou sol, agora não preciso ir mais. Eu me dei essa licença.

Eu ri e pensei que nada mais justo!

No decorrer de nossas vidas quantas coisas não fazemos por obrigação, por acreditar que é o certo e, portanto, necessário? Entretanto, quem pode dizer o que é certo ou errado, melhor ou pior, não é mesmo?

Meu pai faz oitenta e quatro anos essa semana e, no meu entender, já tem licença para matar! 

Aliás, tem licença para tudo!

Quem passou a vida inteira trabalhando, limitando-se a horários, responsabilidades e contas a pagar, deve ter no mínimo, o direito de dizer e fazer o que pensa.

Outro dia estava com ele andando pela rua e passou por nós uma moça numa caminhada bem ritmada. Ele não teve dúvidas e contou:

- Um dois, um dois, um dois...

Licença para ser criança...

 Num outro momento olhando as placas das ruas, numa conversa “das nossas”, sem eira nem beira, ele veio com essa:

- Seu avô deveria ser um nome de rua. Ele conseguiu colocar nomes de várias pessoas em ruas e agora ele não tem uma rua com seu nome...

- Pai, o vô é um espírito iluminado, não se concentra em coisas materiais, tenho certeza! Ele não liga pra isso!

Ele me olha como se eu estivesse falando uma tremenda besteira e completa:

- Mas eu ligo!

Conclusão: depois dos oitenta temos licença para matar, para querer o que quiser, dizer o que quiser.

Para terminar, mais uma de suas pérolas: pura licença poética!

- Pai, quer ler algum livro?

- Não quero ler, filha. Eu quero viver!

Sabedoria...Dá pra contestar?




11 comentários:

✿ chica disse...

Que beleza, Anne! Acho que tem mesmo o direito de matar o tempo como bem entender. Se imposições disso, aquilo... Adorei essa conversa com teu pai! Deixo um beijo pelo niver que fará nessa semana, em seus 84 anos! Beleza! Por isso morro de pena de quem,como Oma, tem horário pra tudo, pelas imposições da doença.Ela tem 90 anos e há uns 7 nessas condições, fazendo de conta que vive... Pena! Mas acredito em merecimento e plantar e colher...Ela nunca plantou muito bem na vida...Hoje colhe!

beijos, chica

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Anne ,como gostaria de ter meu pai para dialogar assim,conversávamos muito quando ainda não havia feito a grande viagem.
Adorei seu texto.
Bjs e um ótimo final de semana.
Carmen Lúcia.

Bergilde Silva Torres Croce disse...

Anne,bom dia!
É maravilhoso retornar às leituras por aqui com um texto seu carregado de emoção e sabedoria além de sua escrita brilhante é claro e aproveito pra me unir a todos que conhecendo ou não pessoalmente o seu querido pai lhe desejarão feliz aniversário pelos anos assim tão bem vividos...Que a vida lhe sorria sempre!Beijos!

Célia Rangel disse...

Que delícia de história da vida real! Plenamente de acordo com seu pai: chega um tempo em que podemos tudo!
Abraço aos dois: pai e filha!

Pepi, Xixo, Juja, Jujuba disse...

Parabéns para o seu querido Pai, Anne.
E eu vivo dizendo isso:
Com os meus 65 anos tenho o direito de fazer o que bem entender.
Um forte abraço e beijinhos saudosos de
Verena e Bichinhos

João Esteves disse...

Gostei de seu apresentado oitentão e das coisas que ele diz e faz. Se chegar a esta faixa etária, provavelmente usarei eu mesmo algumas dessas sábias palavras e ações, claro em versão inconsciente.
E eu que me considero candidato forte para qualquer concurso de corujice paterna ou avoenga, gostei bastante de notar aqui a sua incontestável corujice filial. Todas as formas e maneiras pelas quais o amor se expressa são boas e válidas.

Anete disse...

Anne, uma bonita reflexão aqui, muito cheia de vida e sinceridade...
Feliz domingo! Bjs

Poesia do Bem disse...

QUE BELEZA DE DIÁLOGO. COM CERTEZA SABEDORIA E EXPERIÊNCIA DE QUEM MUITO VIVEU E PODE SIM VIVER COMO DESEJA

Ailime disse...

Boa noite Anne,
Uma delicia essa conversa com o seu Papai!
Um homem muito inteligente e com muita sabedoria!
Ele tem toda a razão.
Parabéns pelos 84 anos anos que completará em breve.
Que muitas e muitas conversas tenham ainda pela frente.
Dá gosto falar com pessoas assim.
Beijinhos,
Ailime

Bolhinhas de Sabão para Maria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bolhinhas de Sabão para Maria disse...

Ah Meu Deus, que sensibilidade nessa prosa, nesses pensamentos do seu paizinho, nos seus.. Que emoção tudo isso!

Seu pai e todos os idosos tem toda licença pra tudo e acho que deveríamos também ter desde cedo... Para sermos livres, para termos autonomia de vida (quando pudermos) para como seu paizinho disse: Viver!

Lindo pai... parabéns por esses anos de sabedoria...

Deus abençoe...

Um beijo grande

Tê e Maria ♥

obs. refiz o comentário pra corrigir palavrinhas erradas :)

Linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...