sexta-feira, 25 de julho de 2014

Eu também já fui criança- Beth Lilás

Eu também já fui criança

(Anne Lieri)





Nosso projeto Infância continua hoje em sua 5ª edição.

Já tivemos a Chica, a Verena, a Tina e a Luconi.


Reveja aqui.



Hoje a nossa convidada para falar de sua infância é a Beth Lilás do blog: Mãe Gaia.






Conte uma passagem da sua infância, ou em poucas palavras, o que se lembra de bom e/ou ruim nessa fase.



Eu tive uma infância boa e bem dividida com minha irmã e meu irmão. Sou a mais velha dos três e, curiosamente, três Arianos e mais meu pai, Ariano também, contra a pobre da minha mãezinha a única diferente, Capricorniana, boazinha e ao mesmo tempo firme, ajudou-nos na formação moral, psicológica e intelectual, conseguia botar ordem no pedaço e criou-nos sob a proteção e cuidados que toda criança merece, sempre com muita doçura.


Lá em casa a gente dividia alguns afazeres e como eu sempre gostei de coisas bonitas e decoradas, ficava com as arrumações da casa e minha irmã ajudava indo às compras ou fazendo algo na cozinha com minha mãe. Meu irmão, como todo garoto criado na década de 60, tinha as mordomias do mundo machista da época, ou seja, quase nada fazia, a não ser perturbar com suas brincadeiras de bola nas paredes da casa.

Morávamos numa vila, no bairro do Méier-RJ e brincávamos sempre pela manhã até o sol banhar grande parte da vila. Aí, era hora de tomar banho, almoçar e ir para a escola que era pública e a melhor da época. Íamos de bonde e o motorneiro nos deixava na porta da escola com todo cuidado. Os tempos eram outros e tinha gentileza e educação, até mesmo nas pessoas mais simples em suas profissões.




Tinha alguma boneca ou brinquedo preferido?


Eu gostava de brincar de boneca, tinha uma a cada ano que ganhava no Natal, mas eu tinha uma amiguinha vizinha que o pai trabalhava num super bazar infantil e levava pra ela, sempre, variados brinquedos que ela gostava de dividir conosco nas brincadeiras diárias. 


A gente brincava de panelinhas, fazer comida com terra e água; brincávamos de roda, de amarelinha, de pera, uva e maçã, de pique e queimada, e, geralmente à noitinha era a hora da brincadeira de desfile de misses e, nós, as meninas, tirávamos os sapatos altos e algumas roupas do armário das mães e desfilávamos até para nossos pais que, na época, sentavam-se para brincar com as crianças no final do dia.

Isto foi antes do advento da televisão, porque quando ela chegou, aí já éramos maiorzinhos e também gostávamos de assistir juntos o Chacrinha e programas direcionados para a criançada da época. Tempo bom!





Na escola dava muito trabalho?



Não, eu era boazinha, comportada até, mas era sempre muito risonha e às vezes dispersiva. Se levava alguma bronca da professora era porque estava rindo de alguém ou de alguma coisa. 

Gostava de ter meu material escolar bonitinho, encapado com cuidado pela minha mãe ou meu pai e amava lápis de cores, eu fui uma felizarda porque meu pai sempre me presenteou com aquelas caixas lindas de lápis coloridos. Eu perdia horas brincando de pintar álbuns ou fazer trabalhinhos escolares. 

Eu era craque em trabalhos de cartolina para apresentação, geralmente tirava nota 10, o que me ajudava a melhorar as notas escola


O que queria ser quando crescesse?


Bem, como toda garota criada nos anos 50/60, ser Professora era o sonho encantado das mães e de muitas de nós, então me direcionaram para isto, porém, ao me ver formada, trabalhei em coisas bem diferentes, mas na infância, gostava de dar aulas pros meus irmãos no quadro-negro que tínhamos em casa.


Uma vontade grande que eu tinha escondida e hoje não escondo de ninguém, era ser cantora.
Ahhhh como eu gostava de cantar!

 Fosse no banheiro ou em qualquer lugar, eu sempre gostei e gosto, mas agora não tenho mais voz para isso.



Deixe uma mensagem para as crianças.


Que não devem perder a oportunidade de levantar do sofá ou da cadeira em frente ao computador e ir ao encontro do dia, do sol, de brincar bastante com outros amiguinhos, de andar descalço nas águas rasas de um riacho ou pegar a
Chuva fininha que cai às vezes na volta das aulas. 

Nem sempre é necessário abrir um guarda-chuvas, pois a alegria é geralmente sentida quando podemos ficar felizes com pequenas coisas e a natureza está aí para nos dar
de graça a verdadeira alegria pro coração.



Obrigada Beth por essa maravilha de entrevista!



26 comentários:

Tina Bau Couto disse...

Adorei!
E como ariana que sou, me vi nela e a vi em mim.

Muito em comum, como os trabalhos caprichados em cartolinas, fazer comidinha com terra, ajudar nas atividafes de casa, sendo arrumação a minha especialização...

Queria e sou professora que pouco ensinou, o sonho é mais bonito que a realidade, fiquei com ele.

Beijos multicores para as duas :)

✿ chica disse...

Que lindo ler a Beth e rever tantos momentos lindos da infância! Adortei! bjs praianos às duas,chica

Rô... disse...

oi Anne,

adorei,
nossa como é bom a gente conhecer um pouquinho mais das pessoas,
e principalmente dessas pessoas quando ainda eram crianças...
parabéns pela iniciativa...

beijinhos

Lia Noronha disse...

A infância da Beth foi maravilhosa...adorei!!
Abraços carinhosos pr ati Annie

Célia Rangel disse...

Que linda história de vida! Com um alicerce desses só podíamos ter uma Beth de primeiríssima grandeza!
Abraços.

Ailime disse...

Bom dia Anne, adorei a entrevista com Beth e me revi em muitos aspectos!
Até a mensagem final bem ao meu jeito;)!
Beijinhos e bom fim de semana.
Ailime
(Muito obrigada pelo carinho lá no sinais)

Beth/Lilás disse...

Oi oi oi! Brigadinha, gente, pelos comentários carinhosos!
Eu disse pra Anne que dar esta entrevista a ela foi um presente pra mim, pois pude revisitar minha infância e ver como ela foi boa mesmo.
Portanto, Anne, mais uma vez agradeço seu convite para estar aqui no seu pedaço que tanto admiro.
Valeu gente!
um super mega beijo carioca a todas.

Bell disse...

Muito legal essa interação, a gente conhece bastante gente legal

bjokas =)

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

É muito bom saber como foi a infância dos nossos amigos.
Parabéns Anne,
bjs e um ótimo final de semana.
Carmen Lúcia

Blog de Ana Marly Jacobino disse...

Ler sobre a infância é sempre renovar as lembranças da nossa! Obrigada Anne Lieri por sua visita... encantada. Abraços Poéticos desta CaipiracicabANA

Zizi Santos disse...

A infância da Beth foi muito feliz!
que bom vê-la aqui nos contando suas historias!
beijos zizi

Mirtes Stolze. disse...

Boa tarde Anne.
Muito linda a infância da Beth.
Um fds maravilhoso.
Beijos.

Araan disse...

Boa noite, Anne
Que bela a infância da Beth.
Beijos com carinho.

Bia Hain disse...

Olha, que delícia a entrevista da Beth! Sempre é bom ler;falar sobre a infância, não é mesmo? Viajei com vocês. Um abraço!

LUCONI MARCIA MARIA disse...

Muito gostoso ler sobre a Lilás menina, uma época tão gostosa, e deixa-nos uma importante mensagem, bjos Luconi

Edite disse...

Olá Anne, gosto muito de "voar" por aqui entre seus belos textos. Tenho estado um pouco ausente , pois tenho dividido meu tempo entre lar e hospital com minha mãe internada já há 10 dias. Vi que já postou belos textos. como sempre. Amei a entrevista com a Beth. é sempre bom lembrar acontecimentos felizes. SuA ENTREVISTA DEIXA PRÁ NÓS O EXEMPLO DA UNIÃO E FAMÍLIA BEM ESTRUTURADA QUE CULMINA TB NUM ADULTO REALIZADO. bJS . bOM FINAL DE SEMANA.

Nal Pontes disse...

Que belo e interessante poster. Muito bom. bjssss

Pepi,Xixo,Juja,Jujuba disse...

Gostei de saber sobre a Beth, Anne
Um beijinho carinhoso para ambas de
Verena e Bichinhos

Luma Rosa disse...

Oi, Anne! Oi, Beth!!
O bom das lembranças é que quando compartilhada, somam-se às nossas, pois elas aparecem em nossa mente como se brotassem. Tenho que dar os parabéns para os pais da Beth que a educaram tão bem! Foi feliz na infância e isso lhe deu suporte para enfrentar a vida com coragem!
Beijus,

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Anne e Beth
Já participei de várias oportunidades falando da minha infância e gosto de ler a da amigas porque me remetem à minha...
Muito bom ver a suavidade das respostas da Bethinha...
Morava no Méier- bairro chique na época... rs...
Bjm fraterno de paz e bem às duas

Regina Rozenbaum disse...

Lindeza nossa amiga Bethita! Infância gostosa que partilhei assim tb. Eram outros tempos. Parabéns Anne e Beth.
Beijuuss proces

Misturação - Ana Karla disse...

Que bom ler a infância de Beth, que é tão querida.
Ela teve uma infância feliz e cheia de amor.
Anne, essa sua iniciativa nos deixa mais próximas nessa blogosfera.
Xeros para as duas.

Elisa T. Campos disse...

Que lindo Anne.
Conhecer a infância da Beth. Amei.
Me vi em muitas cenas de seu relato.

Bjs.

Elisa T. Campos disse...

Que lindo Anne.
Conhecer a infância da Beth. Amei.
Me vi em muitas cenas de seu relato.

Bjs.

Lúcia Soares disse...

Anne e Beth, que bom poder falar da nossa infância, quando nos lembramos, pq não me lembro nada da minha! Mas sei que foi feliz e dentro do normal, algo meio parecida com a da Beth, só que sem os lápis de cor, que não tive..rs Mas acho que nunca me traumatizou.
Beijo nas duas.

Beatriz Bragança disse...

Querida Anne
Uma entrevista maravilhosa!
Alguém que teve bons pais,uma infância feliz,um bom acompanhamento.
Foi sóbria nas suas palavras,mas disse tudo.
Parabéns
Um beijinho
Beatriz

Linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...